DOENÇAS

De nada adianta ficar de joelhos rogando a Deus que faça as ervas daninhas e demais pragas pararem de destruir o seu jardim, pois elas continuarão cumprindo os seus papéis, cabe a você levantar-se, e utilizando a criatividade que Deus lhe deu, descobrir uma maneira de livrar-se delas, portanto, se o jardim for destruído pelas pragas, você será o único responsável.
A religiosidade torna o homem melhor e mais completo, mas em tudo deve prevalecer o bom senso. É comum verificarmos que existem muitas pessoas que trazem dentro da cabeça uma Bíblia ao invés de um cérebro. Somos seres pensantes munidos de razão e com capacidade de julgamento e por eles somos responsabilizados. É a razão que nos difere dos animais, se recebemos o privilégio da razão como dádiva Divina, devemos aplicá-la em nosso dia a dia, caso contrário, poderemos nos comparar aos insetos que instintivamente destroem os jardins.

Quando nossas vidas são atacadas por pragas, assim como os nossos jardins, nós adoecemos, e logo acreditamos que temos que recorrer a Deus para que Ele nos livre dos sofrimentos, por julgarmos que eles não nos são úteis, ou que são frutos dos nossos pecados, assim pensamos que pedindo perdão, ou nos sacrificando, seremos agraciados com a cura.
Primeiramente precisamos entender que há, pelo menos, dois tipos de doenças, aquela que surge por acaso, sem nenhuma função em nossas vidas ou na de terceiros, e aquela que vem como resposta aos pedidos da nossa mente inconsciente, a qual tem a função de criar circunstâncias que nos provejam meios para o nosso desenvolvimento interior. Sendo assim, o milagre da cura mostra-se como bênção no primeiro tipo de doença, mas se o indivíduo obtém cura para o segundo tipo, isto não pode ser considerado bênção, pois ele estará deixando de usufruir as lições que tal doença traria, comprometendo assim o sentido da sua existência, o qual é prover-lhe crescimento.

Tente analisar os seus mal-estares e procure descobrir quais lições eles estão lhe trazendo, pois quando você absorve as lições advindas das adversidades, as doenças e infortúnios cumprem as suas funções e você pode voltar a gozar de bem-estar. Por isso o milagre da cura nem sempre atinge todos os que o buscam, portanto, seja resignado diante das desventuras e faça com que elas contribuam com o seu processo de amadurecimento espiritual, pois um dia não mais teremos nossos corpos físicos como os nossos mais eficazes professores.
No milagre da cura manifesta-se o poder que Deus concedeu aos seus filhos, mesmo que estes filhos não tenham religião, pois a prática da espiritualidade independe de templos ou dogmas religiosos. O poder da cura dos males do corpo e da alma está alojado no cérebro dos humanos.
Sendo que poucos têm controle sobre tal dom, aqueles que o dominam são incorretamente classificados como seres especiais, quando na verdade são apenas pessoas comuns que acreditam no invisível.

A força sobrenatural que faz o milagre se manifestar é impulsionada pela ausência total de dúvida, o que costumamos chamar de fé, tal poder é capaz de absorver e manipular as energias existentes no cérebro do curador, do doente e na natureza. Quando tais energias são direcionadas ao doente, geralmente através da imposição ou aproximação das mãos, forma-se um exército de energias sutis para as quais não existem limites, e qualquer mal pode ser banido.
Os filhos herdam características dos seus pais terrenos da mesma forma que, como filhos do Deus de todo o Universo, herdamos partículas Divinas.

Eduardo de Paula Barreto
13/03/2013