GRILHÕES BÍBLICOS

Ousar discorrer sobre o tema ‘Bíblia’ é algo que exige coragem e a capacidade de ser tolerante com as inevitáveis manifestações contrárias, devido à importância que tal obra tem no Planeta.
Desde crianças somos doutrinados tendo como base preceitos bíblicos e ensinados a sempre aceitá-los sem nenhum questionamento, mas já é hora de nos libertarmos de lendas e estórias que nos fazem viver olhando para o passado, ao invés de olharmos para o futuro.
Talvez você me questione: Qual é a sua religião? Quem é o seu Deus?
Ora, se eu tivesse uma religião, não seria um ser liberto e nem poderia tentar ajudar outras pessoas a se libertarem, e sobre o meu Deus, não posso descrevê-Lo como descreveria um ser mortal, não posso compreendê-lo totalmente e nem provar Sua existência, mas posso exercer a minha razão e crer que Ele existe.
Peça para que representantes de cada religião desenhem Deus e você terá centenas de papéis em branco em suas mãos.
Quem é o meu Deus? Não posso dizer-lhes com exatidão, mas sou convicto ao afirmar que o meu Deus não é o mesmo Deus apresentado no Velho Testamento, e lhes direi por que.
O Deus mencionado no Velho Testamento é sempre associado a um ser cruel, muitas vezes chamado de ‘Deus dos exércitos’, o qual seria responsável por incontáveis mortes, incluindo pecadores e pessoas puras como bebês e crianças. Basta nos lembrarmos do dilúvio. Como podemos imaginar que o Deus da justiça e amor perfeitos seria capaz de matar, mandar degolar e decapitar suas criaturas?
Como crer que o Ser perfeito poderia mandar pestes, catástrofes e fome para assolar os seus filhos? Não adoto tal Deus como a síntese da perfeição, porque ser cruel e violento são características de seres em desenvolvimento como nós.
Será que se um de nós conseguir galgar os degraus da evolução e alcançar o mais alto nível de desenvolvimento espiritual ainda manterá no coração a capacidade de ser cruel?
O Deus no qual acredito não apresenta características humanas e também considero a possibilidade de não termos apenas um Deus, mas quem sabe Deuses.
Crer em Deus, embora eu respeite totalmente a posição dos ateus, me parece sensato devido ao fato de concluir que nada surge do nada, toda vida que surge, surge de outra vida, portanto creio que somos criaturas, sendo assim, temos um Criador.

Eduardo de Paula Barreto
07/03/2013