PRECONCEITOS

O mundo carece de respeito e tolerância no que se refere às diferenças sociais, culturais, raciais, intelectuais, filosóficas, sexuais, etc. Todos os grandes sábios tiveram como base de seus ensinamentos o amor incondicional pelo próximo, portanto, quando dizemos que os seguimos, não podemos ter preconceitos.
Podemos adotar ou rejeitar certas culturas, gostos, hábitos e crenças, mas temos que respeitar os que pensam de maneira diferente da nossa, pois ninguém traz no alforje a verdade absoluta.
A verdade absoluta encontra-se fragmentada e espalhada por todas as mais variadas maneiras de pensar. Quem afirma ter toda a verdade, mente para o mundo e engana a si mesmo

Nascemos sob diferentes circunstâncias, somos brancos, negros, indígenas, asiáticos, gordos, magros, bonitos, feios ou na grande maioria, somos mestiços oriundos das misturas das diversas raças. As diferenças externas não podem nos fazer criar conceitos sobre as características internas dos indivíduos. O homem tem caráter ou não, independentemente das suas características visíveis. A personalidade de uma pessoa justifica o que vamos pensar sobre ela, mas nunca a sua aparência, assim como o diamante que é apenas pedra antes da lapidação.

A raça negra é a que mais sofre preconceito devido ao triste passado recente, quando muitos negros eram escravizados. Este período de estagnação lhes trouxe prejuízos na luta pelas conquistas, pois mesmo depois do fim da escravidão, eles permaneceram em desvantagem frente às demais raças que tinham tido liberdade durante o período em que eles estiveram cativos.
Os negros têm temperamento pacífico, talvez por esta razão não tenham sido tão eficazes nas lutas por liberdade no período obscuro da escravidão. Afirmo isto com veemência, pois basta visitarmos as prisões para verificarmos que os criminosos mais cruéis têm pele e olhos claros. 
Qualquer tentativa de busca por justificativas para legitimar o racismo, mesmo em livros considerados sagrados, é apenas demonstração de apoio velado à crueldade imposta aos negros no passado, bem como ao preconceito vivido no presente. Se Deus tratasse as suas criaturas de formas diferentes, não seria digno de ser chamado de Pai Celestial.  

Igualmente submetidos a grande preconceito estão as pessoas cuja sexualidade é diferente da heterossexualidade, ora, ninguém escolhe qual será a sua condição sexual, nascemos com tais características, a não ser nos casos em que alguém é bissexual e devido à pressão da sociedade ou familiar, tem que escolher um dos dois gêneros para canalizar as suas carências afetivas, nos demais casos a condição sexual das pessoas é inata.
Uma prova de que o homem não opta sobre a sua sexualidade é o fato de existir homossexualidade e bissexualidade entre os animais, porventura os animais podem fazer escolhas?
Então sempre que uma pessoa heterossexual afirma que o homem escolhe a sua sexualidade, pode ter certeza de que ela é, na verdade, bissexual, pois diante das duas opções oferecidas pela natureza, ela fez a sua escolha, mas embora pareça heterossexual para a sociedade, no íntimo sempre saberá que poderia ter feito outra escolha.
Para tornar mais claro este argumento para o leitor heterossexual, pergunto: Quando foi que você fez a sua opção sexual?

A sociedade dá mais valor à sexualidade do que aos aspectos invisíveis do ser humano, quando ouvimos uma sinfonia, por exemplo, não nos importamos em saber o gênero, a cor, a aparência e nenhuma outra característica dos músicos, apenas queremos nos deixar levar pela beleza da música e ficamos gratos às habilidosas mãos que tocaram os instrumentos.

Eduardo de Paula Barreto
11/03/2013